terça-feira, 17 de março de 2009

Teirésias entre gozo e verdade

TEIRÉSIAS:
Você não se enxerga! A escória dessa cidade é você!

ÓIDIPOUS:
Você ousa me acusar e pensa escapar ilesa?

TEIRÉSIAS:
Tenho comigo a verdade.



ÓIDIPOUS (irônico):
Você a recebeu de sua arte?

TEIRÉSIAS:
De você mesmo ao me obrigar a falar. Escute: você é o assassino procurado!

ÓIDIPOUS:
Você vai pagar caro por essas palavras

TEIRÉSIAS:
Sem saber, você se uniu aos seus e não vê o mal que fez!

ÓIDIPOUS:
Você acha que pode falar isso impunemente?

TEIRÉSIAS:
Uma vez desvelada, a verdade não pode ser afastada.

(Diálogo entre Óidipous e Teirésias no Estásimo I de Óidipous, filho de Laios)

Quem é Teirésias?
Teirésias (nome em grego de Tirésias), é o personagem na peça de Sófocles, retomado em Óidipous, filho de Laios, que se apresenta como Mestre da Verdade.


Em Óidipous, filho de Laios é uma mulher xamã que tem o dom de vidência ao incorporar uma suposta divindade, ou melhor, ao se tornar Outra (inclusive para si mesma). Ela incorpora e vê A Verdade, ao vestir a máscara (de indígenas do Xingu) para revelar a Óidipous quem ele é.

A história de Teirésias: homem & mulher

Segundo a mitologia, quando jovem, ao passear no Monte Citéron, Teirésias cruzou com duas serpentes copulando. Ao bater nelas separando-as, ele se transforma em mulher. Sete anos depois, ao passar pelo mesmo local, encontra novamente cobras copulando e, ao fazer o mesmo, volta a ser homem. Devido a essa experiência insólita de ter experimentado os dois sexos, Teirésias foi chamado por Zeus e Hera para opinar sobre uma querela do casal.e Quem goza mais no ato sexual: o homem ou a mulher? Tirésias disse que a mulher goza nove vezes mais do que o homem. Hera, ao ver assim desvelado o segredo feminino, ficou colérica e o fulminou com a cegueira. Zeus, para consolá-lo lhe deu a longevidade (para viver durante sete gerações) e o dom da adivinhação.






O gozo feminino e a verdade
A característica, portanto, principal de Teirésias é a de conhecer o gozo feminino, esse gozo do Outro, obscuro e opaco, que as mulheres guardam no segredo do inefável – eis sua grande vidência. É o que Lacan desenvolve no Seminário XX, ao situar o gozo feminino, como gozo do Outro (sempre em alteridade) e para-além do falo e da fala.
Em Óidipous, filho de Laios, Teirésias é a representante desse gozo que não se diz: uma mulher e xamã. É esse gozo experimentado, para além da linguagem, que lhe permite ser Mestra da verdade. Pois a verdade também não está totalmente na linguagem, ela não pode ser dita por inteiro. A verdade, como A mulher, é não-toda.

2 comentários:

  1. A prpósito,

    Nitezsche elabora explicitamente esta imagem: "a verdade é uma mulher recatada", que nunca se mostra por inteiro. Legal a conexão deste conceito com a personagem Tirésias.

    José Eduardo

    ResponderExcluir
  2. If you need your ex-girlfriend or ex-boyfriend to come crawling back to you on their knees (no matter why you broke up) you got to watch this video
    right away...

    (VIDEO) Why your ex will NEVER get back...

    ResponderExcluir